segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

ANTÓNIO ALEIXO - POETA ( Vila Real de Santo António 18-02-1899-16-11-1949)

POETA (e cantor) António Aleixo
António Fernandes Aleixo (Vila Real de Santo António, 18 de fevereiro de 1899Loulé, 16 de novembro de 1949) (50 anos) foi um poeta popular português de grande relevo autor de 
Versos  com IRONIA e CRITICA SOCIAL. 
 António Aleixo também é recordado como homem simples, humilde e semi-analfabeto, mas deixou um legado de obra poética singular na literatura portuguesa da primeira metade do século XX.
Vida emaranhada lutando contra a pobreza, mudanças de emprego, emigração, tragédias familiares e doenças. Personalidade rica, vincada e conhecedora das diversas realidades da cultura e sociedade do seu tempo. Do seu percurso de vida fazem parte profissões como tecelão, polícia e servente de pedreiro, trabalho este que, como emigrante, exerceu em França.

De regresso ao seu Algarve natal, Loulé, onde passou a vender cautelas e a cantar as suas produções pelas feiras portuguesas, atividades que se juntaram às suas muitas profissões e que lhe renderia a alcunha de «poeta-cauteleiro». Faleceu vítima de uma tuberculose, doença que tinha vitimado uma de suas filhas.
Estilo literário –Espontaneidade; Sentido filosófico; Expressão “Sintética” de conceitos de moralidade. A sua métrica – pequenas composições de QUATRO VERSOS, conhecidos como QUADRAS ou TROVAS;
Foi internado no Hospital – Sanatório dos Covões, em Coimbra, a 28 de junho de 1943. Ali uma nova era para o poeta que descobre novas amizades e deleita-se com novos admiradores, que reconhecem o seu talento, de destacar o Dr. Armando Gonçalves, o escritor Miguel Torga, e António Santos (Tóssan), artista plástico e autor da mais conhecida imagem do poeta algarvio, amigo do poeta que nunca o desamparou nas horas difíceis. Os seus últimos anos de vida foram passados, ora no sanatório em Coimbra, ora no Algarve, em Loulé.
A 27 de maio de 1944 recebeu o grau de Oficial da Ordem de Benemerência.[1]
HOMENAGEM – Em homenagem ao poeta popular e à sua obra, muitos distritos portugueses atribuíram o seu nome a ruas e avenidas e até a diversas escolas.
  • O reconhecimento a este poeta tem-se repercutido noutros países de língua portuguesa, nos quais o nome de Aleixo foi imortalizado em instituições como, por exemplo, a Escola Poeta António Aleixo no Liceu Católico de São Paulo no Brasil.  
Da sua autoria estão publicadas as seguintes obras:
·         Quando começo a cantar – (1943);
·         Intencionais – (1945);
·         Auto da vida e da morte – (1948);
·         Auto do curandeiro – (1949);
·         Auto do Ti Jaquim - incompleto (1969);
·         Este livro que vos deixo – (1969) - reunião de toda a obra do poeta;
·         Inéditos – (1979); tendo sido, estes quatro últimos, publicados postumamente.
FUNDAÇÃO ANTÓNIO ALEIXO, Loulé – Loja social, secção de comunicação e animação; Creche Meninos do Aleixo (Abelheira-Loulé); Creche Espaço Infantil (Abelheira); Centro Comunitário – Abelheira – Serviço Apoio Domiciliário (Abelheira).
          I

Sou humilde, sou modesto;
mas, entre gente ilustrada,
talvez me digam que não presto,
porque não presto p`ra nada.

           II
Forçam-me mesmo velhote,
de vez em quando a beijar
a mão que brande o chicote
que tanto me faz penar.

Por de Deus ter recebido
tantas provas de bondade,
já lhe tenho até pedido
a morte por caridade.

          IV
Porque o mundo me empurrou,
caí na lama, e então
tomei-lhe a cor mas não sou
a lama que muitos sã

AMÉRICA - O FERIADO DA TERCEIRA SEGUNDA FEIRA DE FEVEREIRO

AMÉRICA (Estados Unidos da América)
Por Celeste Cortez: 

O dia do Presidente (President’s Day) nos Estados Unidos da América é hoje, 3ª. segunda feira do mês de Fevereiro de 2018! Oficialmente comemora a vida e o trabalho de George Washington, o primeiro presidente norte-americano – mas também homenageia os ex-presidentes do país.
A primeira vez em que o aniversário de Washington foi celebrado como um feriado foi em 1880, no Distrito de Columbia. A data começou a ser feriado nacional em 1885. Era geralmente comemorada no aniversário de nascimento de George Washington, em 22 de fevereiro, mas a celebração passou a ocorrer na terceira segunda-feira de fevereiro a partir de 1971.É hoje neste ano da graça de 2018. Porque a terceira segunda feira do mês assim calhou.  
GEORGE WASHINGTON, PRIMEIRO PRESIDENTE, nasceu a 22 de Fevereiro de 1732, em Pope's Creek, Westmoreland County, Virginia. De religião Episcopal. Os seus ascendentes são de origem inglesa. Era do Partido Federalista, representou a Virginia.
Iniciou o seu mandato quando tinha 57 anos, a 30 de Abril de 1789 (lembram-se deste ano? Foi o ano da Revolução Francesa!) e finalizou-o a 3 de Março de 1797.  
George Washington veio a falecer a 14 de Dezembro de 1799 com a idade de 67 anos.
Seguiu-se-lhe na presidência JOHN ADAMS,

que esteve no poder de 4 de Março de 1797 a 3 de Março de 1801. (Na América o 2º.presidente teve o sobrenome de ADAMS, mas também o 6º. Presidente era John Quincy Adams, que iniciou o seu mandato a 4 de Março de 1825 e terminou-o a 3 de Março de 1829. 
Como se pode verificar, "quase todos" os Presidentes dos E.U.América, tomavam posse a 4 de Março até a Franklin D. Roosevelt que foi o 32º. presidente.
Também até este, usualmente o último dia era a 3 de Março, só mudava para outra data por falecimento do titular do cargo. Interessante! 

domingo, 17 de dezembro de 2017

AMÉRICA - A Independência

Declaração da Independência dos
Estados Unidos da América
     Guerra de Independência dos Estados Unidos, ou Guerra Revolucionária Americana (1775–1783) ou ainda Guerra Americana da Independência, foi um conflito armado entre o Reino da Grã-Bretanha (Inglaterra) as Treze colónias que tinham na América do Norte. 
     O Dia da Independência dos Estados Unidos (em inglês: Independence Day of The Fourth of July), pela Declaração de Independência em 1776, celebra-se a 4 de julho nos Estados Unidos. 
     É o feriado mais festejado e tem forte influência no país americano, sendo considerado o dia Nacional dos Estados Unidos. 
       Na verdade, segundo reza a História, a separação legal das colónias do Reino Unido da Grã Bretanha (Inglaterra) ocorreu a 2 de Julho de 1776, quando o Segundo Congresso Continental aprovou a declaração da independência proposta por Richard Henry Lee, (do Estado da Virgínia). A partir daí o Congresso elaborou, debateu, revisou a DECLARAÇÃO DE INDEPENDÊNCIA, que foi aprovada no dia 4 de Julho. 
Parece-nos muito importante transcrever aqui, retirada com a devida vénia da wikipédia,  uma carta que John Adams, que veio a ser o 2º. Presidente dos Estados Unidos da América, de 4 de Março de 1797 a 3 de Março de 1801, escreveu a sua esposa de seu nome ABIGAIL:
  ..." o 2º. dia de Julho de 1776 será o mais memorável da história da América. Acredito que será celebrado nas gerações vindouras como o maior  festival comemorativa. Esta data será celebrada como o dia da libertação através dos atos seles de devoção a Deus Todo-Poderoso. Deverá ser solenizada com pompa e paradas, com demonstrações, jogos, salvas, sinos, fogareiros e fogos, de um lado a outro deste continente, de agora para sempre"...


     Sabemos que se equivocou por pouco. O dia nacional é celebrado a 4 de julho.
     Estudiosos têm debatido sobre a publicação da Declaração de Independência, apesar de Thomas Jefferson (3º.Presidente, John Adams  (2º.Presidente  e Benjamin Fraklin terem escrito posteriormente sobre a data original. A maioria dos historiadores concluem e aceita que a Declaração teria sido assinada cerca de um mês após a sua aprovação, em 2 de agosto de 1776, e não em 4 de julho como comumente é acreditado. Mas que interessa? 

domingo, 26 de novembro de 2017

OS FOGOS E AS CHUVAS, por Celeste Cortez


OS FOGOS E AS CHUVAS


          Os fogos queimaram florestas, casas, estábulos, animais que pastavam nos verdes prados ou que apanhavam umas ervas secas para se alimentarem. Morreram carbonizadas pela ação do fogo pessoas e animais, cujo prazo de vida poderia ser muito mais longo. O ser humano, o homem, por norma deseja prolongar a sua vida. Mas o fogo que o homem inventou por necessidade para cozinhar, para se aquecer, também pode ser devorador. E foi-o, mais uma vez, nos grandes fogos que têm consumido a nossa floresta, ano após ano, e piorou neste ano de 2017, tendo morrido mais de uma centenas de pessoas.
          Veio a chuva que todos desejávamos! Chegou a água das chuvas porque todos ansiávamos, para ajudar no combate aos incêndios, para matar a sede ao homem, aos seus animais domésticos, ao gado, sendo também um potencial para a economia do país. Mas chegou tarde, é pouca  e às vezes faz estragos.

sábado, 11 de novembro de 2017

POETA - LUIZ MONIZ BANDEIRA (Brasil, Salvador 30-12-1935- Alemanha, Heidelberg 10-11-2017)

no inverno de 1981/82, como professor visitante no Instituto de Ciência Política da Universidade, o professor doutor Luiz Alberto Vianna de Moniz Bandeira, ali conheceu Margot que veio a ser sua esposa.
Para ela, dedicou coroa de sonetos, dos quais publicamos apenas um: (Luiz Alberto Moniz Bandeira - St. Leon, inverno de 2001/2000)



I



Entre o castelo e a neve na montanha,
vi tua  imagem de manhã madura,
o azul vertendo sobre tua alvura,
à luz do sol que os campos brancos banha.

A cicatriz dos tempos lá perdura
e tua imagem a paisagem entranha,
contrastando a beleza morta e estranha
que o castelo arruinado configura.

Sobre ti resvalei e assim, depois,
o intenso amor, que mesmo ao frio se ergue,
desvaneceu o espaço entre nós dois.

Que meu corpo, que sobre o teu se vergue,
viva em teu ventre para sempre, pois
perdi meu coração em Heidelberg.



ALBERTO VASCONCELOS DA COSTA E SILVA - POETA BRASILEIRO

Alberto vasconcelos da Costa e Silva, é um conhecido diplomata (embaixador), autor, historiador e membro da Academia Brasileira de Letras. Recentemente recebeu o Prêmio Camões 2014.
 É descendente de portugueses, seu pai ANTONIO FRANCISCO DA COSTA E SILVA, era natural de .
Um grande poeta que conquistou diferentes pessoas com seu jeito harmonioso de ser.. Poemas De sua cidade Amarante- Piaui, Caracterizava uma das suas obras.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Sangue (1908),
  • Elegia dos Olhos,
  • Poema da Natureza,
  • Clepsidra,
  • Zodíaco (1917),
  • Verhaeren (1917),
  • Pandora (1919),
  • Verônica (1927),
  • Alhambra (1925-1933), obra póstuma inacabada,
  • Antologia (coleção de poemas publicada em vida - 1934),

O poeta e embaixador  ALBERTO DE VASCONCELOS COSTA E SILVA, é descendente de português

Copiado da wikipédia:  
  • Antônio Francisco da Costa e Silva (Amarante)  , 28 de novembro de 1885 — Rio de Janeiro29 de junho de 1950) foi um poeta brasileiro.
    Começou a compor versos por volta de 1896, tendo seus primeiros poemas publicados em 1901. Todavia, seu primeiro livro de poesia, Sangue, somente foi lançado em 1908.
    Exerceu função pública na Presidência da República do Brasil, entre 1931 e 1945, a pedido do então presidente Getúlio Vargas. É o autor da letra do hino do Piauí.
    Pertenceu à Academia Piauiense de Letras, Cadeira 21, cujo patrono é o padre Leopoldo Damasceno Ferreira.
    Guilherme Luiz Leite Ribeiro disse que Costa e Silva era pavorosamente feio, o que influiu na sua carreira:
    "Nos tempos do barão do Rio Branco não havia concurso para ingressar na carreira diplomática, e a seleção era feita pessoalmente por ele, que conversava com os candidatos, em geral pessoas de família conhecida, de preferência bonitos e que falassem línguas estrangeiras. Antônio Francisco da Costa e Silva, ilustre poeta e pai do embaixador e acadêmico Alberto Vasconcellos da Costa e Silva, conversou com o barão sobre a possibilidade de ingresso na carreira, porém o chanceler foi taxativo: - Olha, o senhor é um homem inteligente, admiro-o como poeta, contudo não vou nomeá-lo porque o senhor é muito feio e não quero gente feia no Itamaraty..."1
    Poesias Completas
     (1950), coletânea póstuma.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...